Infância e Arte Espírita ou Quando se inicia a formação do artista espírita

       Daniela L. Pereira Soares *

“Creio que a arte deve ser praticada para ser apreciada, e ensinada em aprendizado íntimo. Creio que o mestre não deve ser menos ativo que o aluno. Pois a arte não pode ser aprendida por preceito, por uma instrução verbal qualquer. Ela é, falando com propriedade, um contágio, e se transmite como o fogo de espírito para espírito.”. (Read, 1986, p.15)

Em 1998 tive a oportunidade de participar pela primeira vez do FECEF – Festival da Canção e Arte Espírita de Franca/SP. Não era o primeiro encontro de artes que participaria, no entanto, aquele seria o que me impressionaria mais, durante todos esses anos.

Os estudos, as oficinas, o festival, o contato com diferentes artistas, tudo fora muito significativo, mas também bastante parecido com outros encontros que já havia participado anteriormente. No entanto, o que mais me chamou a atenção foram os bastidores de toda essa ação, o que colocava toda a engrenagem em funcionamento e fazia o encontro acontecer. Ali se viam crianças e adolescentes de todas as idades participando ativamente junto com seus pais (artistas-trabalhadores) em atuações artísticas, em serviços diversos que o evento exigia, ou simplesmente participando indiretamente, pois a presença de seus familiares ali naquele local, assim o exigia.

Pensei comigo, uma criança que cresce vendo o pai, a mãe, cantando, interpretando, estudando arte, tomará isso como algo comum e naturalmente irá se engajando em alguma atividade artística desde a infância e se não se tornar um futuro artista, crescerá sob o estímulo da beleza, de uma estética que fará diferença em sua vida adulta.

Até então só conhecia grupos de teatro/música onde a maioria eram adolescentes, ou jovens iniciando a fase adulta. Mas ali, pude ver concretamente, famílias inteiras engajadas em diferentes linguagens artísticas. Foi o exemplo que mais me marcou, a imagem mais bonita que trago comigo da vivência em arte espírita até os dias de hoje.

Cito os companheiros de Franca, mas sei que existem trabalhos belíssimos realizados em outras localidades envolvendo a infância, a juventude e a maturidade em atividades conjuntas que conjugam a arte e a Doutrina Espírita, realizando com toda certeza, mais um encontro de “espíritos” com objetivos afins do que um agregado de diferentes faixas etárias para uma atividade comum.

 

. Infância e Arte

 “Ó espíritas! compreendei hoje o grande papel da humanidade; compreendei que quando produzis um corpo, a alma que nele se encarna vem do espaço para progredir; sabei vossos deveres e colocai todo o vosso amor em aproximar essa alma de Deus.” (O Evangelho Segundo o Espiritismo – cap. XIV – p. 193)

 Indo direto ao ponto, gostaria de refletir um pouco sobre a arte, a educação e a infância na casa espírita. 

Vemos anualmente surgirem vários grupos de arte espírita onde os protagonistas são jovens e adultos, inúmeras discussões em torno da qualidade técnica dos espetáculos, do público alvo, às diversas maneiras de se atingir a mídia e expandir a difusão de uma arte espiritualizada, no entanto, poucas vozes se erguem para discutir o fazer arte de qualidade para crianças, a formação e valorização de grupos de arte espírita infantis visando o preparo estético e moral dos artistas do porvir.

No Livro dos Espíritos, na questão 385, os espíritos nos chamam a atenção para a importância e a finalidade da infância:

“… os Espíritos não entram na vida corporal senão para se aperfeiçoar, se melhorar; a fraqueza da pouca idade os torna flexíveis, acessíveis aos conselhos da experiência e daqueles que os devem fazer progredir. É quando se pode reformar seu caráter e reprimir-lhes as más inclinações; tal é o dever que Deus confiou aos pais, à missão sagrada pela qual deverão responder. Por isso a infância não é somente útil, necessária, indispensável, mais ainda ela é a conseqüência natural das leis que Deus estabeleceu e que regem o Universo.”

 

            Como a própria Doutrina Espírita nos adverte, é sobre os pais que repousa a maior responsabilidade de educação e formação integral da criança, no entanto, por que não aproveitar esse momento tão importante na vida do espírito para lançar as bases de uma arte voltada ao aprimoramento e elevação dos seres?

            No Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo VIII os Espíritos nos afirmam que a partir do nascimento, as idéias, tendências e impulsos que o indivíduo traz de existências pregressas, começam a se manifestar gradualmente, de acordo com o desenvolvimento dos órgãos, o que torna plausível a afirmativa de que: “… durante os primeiros anos, o Espírito é verdadeiramente criança, porque as idéias que formam o fundo do seu caráter estão ainda adormecidas. Durante o tempo em que seus instintos dormitam, ele é mais flexível e, por isso mesmo, mais acessível às impressões que podem modificar sua natureza e fazê-lo progredir… (p.114)”

                                                                               Segundo ALVES (1997: 67), as experiências por que passa nesta existência, desde os primeiros meses, e mesmo durante a gestação, as vibrações que sente, os exemplos que observa, os livros que lê, enfim, tudo o que acontece à sua volta vai influenciar a criança, positiva ou negativamente.

Dessa forma, temos na infância o período mais propício para a educação em seu sentido integral e, por conseguinte, o momento mais importante para colocar a criança diretamente sob o estímulo da beleza, do bem e do belo, “já que neste período está mais acessível às impressões que recebe e que podem ajudar o seu adiantamento, para o qual devem contribuir aqueles que estão encarregados da sua educação.” (O Livro dos Espíritos, questão 383)

 

2. Educação e Arte

“Educar para a arte, com arte, pela arte, é, pois, colocar o indivíduo em contato com as forças mais profundas de sua alma – é trabalhar com camadas do inconsciente, é buscar o fio condutor que nos leva à essência de cada um. (INCONTRI – Pestalozzi 2009, p.125),

Antes de iniciarmos nossas reflexões sobre educação e arte, faz se necessário definir a concepção de educação e arte que irá nortear as idéias aqui esboçadas.

            Ao falarmos em educação, nos referimos à formação integral do indivíduo, que abrange os seus aspectos bio-psico-social-espiritual, ou seja, o desenvolvimento da inteligência, sentimento, vontade.

Esta idéia de educação se refere não apenas a educação formal, mas também e mais fortemente a educação ou evangelização espírita, alicerçada na Doutrina Espírita que se assenta nos aspectos – científico, filosófico e religioso maravilhosamente integrados.

“O Espiritismo deverá reformular os padrões da Educação humana…”

“… O Espiritismo confere à ação educativa – a meta espiritual. Desfazem-se os objetivos educacionais puramente terrenos, esses que pretendem fazer do homem uma pessoa bem ajustada aos padrões da sociedade vigente. Projetam-se objetivos para o infinito. Trata-se de formar homens bem ajustados às Leis de Deus – eternas e cósmicas – muito superiores e muito mais importantes ao Espírito do que as leis e os costumes humanos, passageiros e sujeitos às decepções da marcha do progresso.” (INCONTRI – Léon Denis, 1997, p.216)

 Compartilhando as idéias de Alves (2000: p.24) acreditamos que o movimento de evangelização infantil não pode definir seus objetivos somente como o desenvolvimento moral do indivíduo, pois isso seria apenas parte do processo, deixando de lado a outra asa da evolução humana – a razão. Em consonância com o Espiritismo e as concepções de educação apresentadas por Walter Oliveira Alves, em seu livro Introdução ao Estudo da Pedagogia Espírita, entendemos que em “síntese, a educação tem como objetivo auxiliar a evolução do Espírito”.

            Estas idéias de educação como formação integral do ser, embasadas na Pedagogia Espírita, parecem vir de encontro com o pensamento esboçado por Platão, como nos afirma SOUSA (2003):

“Esta educação holística, que parece ter sido inicialmente tentada por Pitágoras na sua escola de Crotona, terá recebido de Sócrates a perspectiva da formação através do autoconhecimento, influenciando ambos as posições platônicas de uma educação voltada para a formação da pessoa no seu todo, objetivada para sua evolução.” (SOUSA, 2003, p. 11)

            Platão, afirmava ainda, a importância de uma educação artística no seu sentido mais amplo e suas idéias em relação ao estado da latência da razão no período da infância vêm na mesma direção do que afirma a Doutrina Espírita: “quando ele (espírito) é criança, é natural que os órgãos da inteligência, não estando desenvolvidos, não podem dar-lhe a intuição de um adulto. Ele tem, com efeito, a inteligência muito limitada enquanto a idade faz amadurecer sua razão…” (Livro dos Espíritos, na questão 380).

“Uma (educação artística) é a única que dá harmonia ao corpo e enobrece a alma… devemos fazer Educação com base na arte logo desde muito cedo, porque ela pode operar na infância durante o sono da razão. E quando a razão surge, a Arte terá preparado o caminho para ela. Então ela será bem vinda, como um amigo cujas feições essenciais têm sido há muito familiares.” (in Fedro)

            Essa relação entre Educação e Arte, que como pudemos observar vem desde a Grécia Antiga, berço da cultura Ocidental, vem se desenvolvendo e acompanhando o avanço do pensamento de alguns teóricos da educação, da psicologia e da arte ao longo dos tempos. Dentre estes pensadores, destacamos as idéias de Herbert Read[1], cuja obra “Education Through Art (1942)”, exerceu grande influência não apenas no campo da educação artística, como da educação de forma geral. SOUSA (2003), citando Read nos diz que, retomando as idéias de Platão, de que a arte deveria ser à base de toda a educação, H. Read clarifica conceitos como os de educação e de arte, analisando a sua união indissolúvel e a sua importância em todos os níveis do desenvolvimento da pessoa.

“Quando se refere ao papel da arte na educação geral do homem, H. Read não se refere ao campo limitado do “ensino das artes” nem apenas ao campo exclusivo das artes visuo-plásticas. Ele refere-se muito nitidamente há algo muito mais vasto, a uma “educação estética” como uma educação englobando todos os modos de expressão individual: musical, dançada, dramática, plástica, verbal, literária e poética. Uma educação estética em que se realize, no seu pleno sentido, a relação harmoniosa do ser humano com o mundo exterior, para se poder chegar a construir uma personalidade integrada, ou seja, ligada a situações e a valores que obrigam o indivíduo a tomar com independência as suas próprias resoluções.” (SOUSA, citando READ 2003, p. 25)

Concordando com este pensamento, numa ótica mais contemporânea da educação, temos DUARTE (2000), afirmando que “o desenvolvimento de uma consciência estética no indivíduo tem um significado muito mais amplo do que a simples apreciação da arte. Ela compreende justamente uma atitude mais harmoniosa e equilibrada perante o mundo, em que os sentimentos, a razão e a imaginação se integram; em que os sentidos e valores dados à vida são assumidos no agir cotidiano.”

            Não queremos, com os pensamentos esboçados ao longo de nosso texto, dizer que a arte não tem importância em si mesma, isso seria negar o que acreditamos e as próprias idéias trazidas pelo Espírito de Massenet em “O Espiritismo na Arte”, de Léon Denis. Mas desejamos também pensar a arte como atividade estética, o que a alia perfeitamente com a educação, sem de forma alguma ferir os conceitos de arte expressos pelas obras espíritas, mas reafirmá-los, trazendo da mesma forma, novas concepções de arte, as propostas educacionais espíritas.

            Além disso, buscando apoio em estudiosos da Arte e Educação, citamos outros benefícios que a arte oferece as nossas crianças:

Eisner entende que, ao realizarem atividades artísticas, as crianças desenvolvem auto-estima e autonomia, sentimento de empatia, capacidade de simbolizar, analisar, avaliar e fazer julgamentos e um pensamento flexível; também desenvolvem o senso estético e as habilidades específicas da área artística, tornam-se capazes de expressar melhor idéias e sentimentos, passam a compreender as relações entre partes e todo e a entender que as artes são uma forma diferente de conhecer e interpretar o mundo. (Almeida, 2001, p. 14).

A Pedagogia Espírita, dentro do pensamento ALVES (2000), vai além destas assertivas, indo além dos cinco sentidos, levantando outras vivências que a arte pode oferecer a criança:

  • A arte é forte elemento de interação vertical, onde a alma interage com as energias espirituais superiores, propiciando a criança o desenvolvimento de seu potencial anímico e ampliando sua faixa vibratória;
  • Estimula a capacidade criativa, traçando ao mesmo tempo canais para sua expressão;
  • É uma forma de crescimento interior e desenvolvimento das potências da alma;
  • Representa forte elemento de estímulo a energia criadora do Espírito, que é uma das maiores forças que impulsiona a evolução;
  • Sensibiliza e oferece estímulo à vontade direcionada para os ideais superiores;
  • Pode liberar energias bloqueadas, canalizando-as para níveis superiores e estimulando essa energia a vibrar de forma superior;
  • Pode ser usada como terapia, liberando bloqueios, causas profundas de estados depressivos;
  • Propicia a vivência de estados vibratórios ou sentimentos que o intelecto apenas, por si só, não atingiria.

 

A arte vem ganhando espaço dentro das instituições espíritas, mas ainda há muito caminho pela frente para que ela ocupe o lugar e a importância que merece, em especial na evangelização espírita infantil. Concordando com BARBOSA (1975), pelos próprios conteúdos afetivos que mobiliza, a arte pode ser um poderoso auxiliar para o enriquecimento de outros conteúdos, em nosso caso, do ensino da Doutrina Espírita aos pequeninos, e são firmemente aceitos os objetivos relacionados com ênfase dessa função na arte-educação. No entanto, ligar a arte a outros assuntos através de mera proposição temática a torna algo secundário, desempenhando apenas papel ilustrativo ou meramente concretizador de conteúdos predominantemente intelectuais, o que a nosso ver não comporta a proposta grandiosa que a arte reserva a todo ser humano.

3. Formação do artista espírita: algumas reflexões

 

“Se o ser humano desde o nascimento estiver preso a um ideal, podemos calcular os novos tesouros que a ele se prenderão. A arte ideal é uma forma de prece, seu pensamento atrairá amigos invisíveis bastante elevados e para estes será fácil realçar o brilho da chama acesa anteriormente, e da alma do artista brotarão obras inspiradas pelo belo e pelo divino.”

(O Espiritismo na Arte. p. 30)

Falar da formação do artista espírita parece algo pretensioso, mas nossa proposta é apenas, lançar algumas reflexões a partir dos pensamentos já pontuadas no início deste artigo.

Como pudemos verificar, de acordo com a Codificação Kardequiana, na infância temos o período mais propício à educação do ser humano, Espírito eterno que retorna as lides terrenas para nova etapa evolutiva.

Da mesma forma, associando a arte, a educação, no sentido de formação integral do ser, temos instrumento capaz de propiciar avanço e progresso ao Espírito reencarnado, semeando desde cedo em sua alma, elementos que lhe propiciem um desenvolvimento mais harmonioso ou estimulando o desabrochar de um futuro artista, cujas tendências sejam direcionadas desde o primeiro instante à busca do bem, do belo e da perfeição em si e em suas obras.  Eis um trabalho delicado nos afirma Pestalozzi, através da mediunidade de Dora Incontri, “pois é preciso alimentar essas almas que voltam, com ideais muito nobres, para que esse poder criador se torne impulso de construção e ascensão e não de perturbação e queda”. (INCONTRI – Pestalozzi, 2009, p.125)

Por que então, não intensificar ações em torno de uma educação artística voltada à criança, tendo em vista tanto sua dimensão humana, quanto sua formação enquanto futuro artista propriamente dito?

“Deixai que as crianças bebam nas fontes mais puras da Arte terrestre… Que elas possam exercitar a sua sensibilidade, ouvindo as melodias mais doces jamais feitas; olhando as cores e as luzes mais sutis já tecidas; declamando os poemas mais elevados jamais compostos; sentindo as produções mais próximas da divindade que o homem já atingiu. Fazei isso com todas elas e se não tiverdes no futuro todos os homens literalmente artistas, tê-lo-eis moralmente melhores e mais criativos.” (INCONTRI – Schiller, 1997, p. 215)

Longe de menosprezar os numerosos grupos formados por jovens e adultos, que envergam tamanha importância dentro do movimento espírita brasileiro, espargindo a mensagem espírita-cristã envolvida em ideais de beleza, harmonia e perfeição, que projetam do esforço pela própria melhoria íntima, vemos na criança a semente do amanhã.

Quantos esforços temos visto em nossos irmãos de ideal em torno da implantação da arte nas casas espíritas, como atividade séria e tão importante quanto às demais atividades. Quanto ainda há de se fazer neste sentido e como já sonhamos com um futuro envolto nas claridades advindas da música, da dança, do teatro, das artes plásticas, da literatura espiritualizadas e conduzindo os seres ao altar da perfeição e da busca de Deus.

Impossível não ver na criança o germe deste futuro, que nasce da educação e do direcionando que lhe outorgarmos hoje.

Quantas reflexões sobre o que é e como fazer arte espírita têm nos incitado a mudanças, quantas transformações nossos grupos de arte espírita tem forjado em nós mesmos através dos ideais que esposamos, da busca incessante pela vivência daquilo que propagamos com nossa arte?

Por que não acendermos essa chama nos mais pequeninos, que ainda se encontram mais flexíveis e mais propensos as impressões que lhes poderão servir de adiantamento?

“Acendei luzes de beleza aos olhos e aos ouvidos das crianças. Mostrai-lhes imagens elevadas, cantai com elas canções harmoniosas, com substância estética! Não penseis poder vos contrapor à enxurrada de lixo em vosso mundo com hinos ingênuos, com odores de incenso e com tolices moralizantes! Deveis ofertar o melhor, o elevado de um Bach, o literário das histórias bem escritas, a poesia dos poetas que souberam ser geniais e sensíveis. Mas sobretudo, tende para com as crianças o exemplo vivo da busca de beleza moral e de estatura existencial, para que possais semear em seus corações o desejo de perfeição!…” (INCONTRI – Pestalozzi, 2009, p. 121)

Longe de abranger toda a extensão que este assunto encerra, finalizamos deixando o convite para que possamos fazer mais arte voltada à criança e com a criança.

Não nos esqueçamos de que já fomos criança um dia e de que amanhã, em novo porvir, estaremos aqui de novo, a espera de braços que nos acolham e de mãos que nos conduzam a novos horizontes através da arte enobrecida que nos edifica e eleva à ascensão a que todos fomos predestinados.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ALMEIDA, C.M.C. Concepções e Práticas Artísticas na Escola. In: FERREIRA, S. (Org.) O Ensino das Artes : Construindo Caminhos. Campinas : Papirus, 2001, p.11-37.

ALVES, W. O. A educação do Espírito 1.ed. Araras: IDE, 1997, p. 309p.

ALVES, Walter Oliveira. Introdução ao Estudo da Pedagogia Espírita: Teoria e Prática. 1ª ed. Araras/São Paulo: Instituto de Difusão Espírita, 2000.

BARBOSA, A. m. Teoria e Prática da Educação Artística. 1.ed. São Paulo: Cultrix, 1975, 114p.

DUARTE, J. F. Fundamentos Estéticos da Educação. 6.ed. São Paulo: Papirus, 2000, 150p.

INCONTRI, Dora. A Educação segundo o Espiritismo. 1.ed. São Paulo: Edições FEESP, 1997

INCONTRI, Dora. Meditações J. H Pestalozzi. 1.ed.  Bragança Paulista:Editora Comenius, 2009

KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo.. 284ª ed. Araras/SP: IDE, 2003.

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 156ª ed. Araras/SP: IDE, 2005.

PLATÃO. A República: Livro III 1. ed. Editora Martin Claret, 2002

READ, H. E. A educação pela arte. 3.ed. São Paulo : Martins Fontes, 1958, 354p.

SOUSA, Alberto B. Educação pela arte e artes na educação: Bases Psicopedagógicas. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

READ, Herbert, disponível em:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Herbert_Read

* Daniela L. P. Soares é graduada em Pedagogia pela UNESP – Universidade Estadual Paulista, e atualmente está terminado uma Especialização em Educação Musical e um curso de formação em Pedagogia do Movimento para o Ensino da Dança, ambos pela UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. Foi coordenadora do Grupo Espírita de Dança Evolução de 1995 a 2004, co-fundadora do Grupo Espírita de Dança Reforma Íntima em Vitória/ES (2006/2007), é coordenadora do Grupo Espírita de Dança Iluminar em Ribeirão das Neves/MG desde Setembro de 2008. Foi idealizadora da I Mostra Espírita de Dança “ Oficina do Espírito” em 2001, que está em sua 9ª edição.


[1] Sir Herbert Edward Read (Kirkbymoorside, North Yorkshire, 4 de dezembro de 1893Malton, North Yorkshire, 12 de junho de 1968) foi um poeta anarquista e crítico de arte e de literatura britânico. Foi nomeado cavaleiro em 1953. Obteve o Prêmio Erasmo em 1966. Foi criado numa fazenda e serviu como oficial na Primeira Guerra Mundial. A infância e a guerra foram temas freqüentes nas poesias que publicou, a partir da sua estréia com Guerreiros nus, em 1919. Após a guerra, trabalhou na curadoria do Victoria and Albert Museum, em Londres. Em 1931 e 1932 lecionou na Universidade de Edimburgo. De 1933 a 1939, foi editor da revista Burlington Magazine.Crítico dos mais conceituados entre as décadas de 1930 e 1950, e expoente do movimento de educação pela arte, Herbert Read impôs-se por seu espírito democrático e humanístico, tanto no campo da estética quanto em pedagogia, sociologia e filosofia política.Escreveu mais de mil obras sobre diferentes áreas do pensamento. Entre seus ensaios, destacam-se O significado da arte (1931), A forma na poesia moderna (1932) e Educação pela arte (1943).

Esse post foi publicado em Arte Espírita Infanto-Juvenil, Arte na Evangelização, Dança na Evangelização, Textos arte espírita. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Infância e Arte Espírita ou Quando se inicia a formação do artista espírita

  1. MÁRIO disse:

    Este texto, de forma tão abrangente, refletida e dedicada só poderia vir de alguém com o grau de engajamento da Daniela.

    Meus humildes parabéns. Que ele sirva de reflexão a todos nós que temos graus diversos de aproximação com a Arte Espírita e a Educação.

    MJ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s